Bem-Vindos ao site da Banda de Música dos Mineiros do Pejão
O Pejão está na Rua.
Consulte a nossa agenda. Acompanhe a nossa Banda.
Festas em Honra de Santa Ana
30 de Julho de 2017 | Sousanil - Canedo
Festas em Honra de São Domingos da Serra
04 de Agosto de 2017 | São Domingos - Castelo de Paiva

História das Minas do Pejão

A história do Couto Mineiro do Pejão começa em 1859, quando o Concelho d'Obras Públicas e Minas decidiu examinar e reconhecer a existência de uma mina de carvão situada no Monte das Cavadinhas, no Pejão, freguesia de São Pedro do Paraíso, concelho de Castelo de Paiva. O reconhecimento surgiu na sequência da correspondência enviada pelos Srs. Francisco Saraiva Couraça e Augusto d'Azevedo de Pinho Leite a Sua Majestade onde requeriam o reconhecimento da dita mina de carvão. Contudo, os estudos efectuados, principalmente, por Sharpe em 1849 e Carlos Ribeiro, em 1963, evidenciaram que a exploração da mina do Pejão não era a mais favorável.

As concessões mais antigas que se conhecem são de 1884, data a partir da qual se iniciaram os primeiros trabalhos de prospecção, pesquisa e exploração realizados por uma empresa de origem Inglesa. A exploração era subterrânea e o nome dado à mina foi "Mina de Cinquenta".

Entre 1908 e 1917, as concessões relativas ao Couto Mineiro do Pejão eram exploradas pela Companhia Portuguesa de Carvão e pela "Anglo-Portuguesa Colliers, Lda.".

Em 1917 foi fundada a "Empresa Carbonífera do Douro, Lda." (ECD) com um capital de 200 contos.

A Primeira Grande Guerra Mundial (1914-18) deu o primeiro impulso na exploração destas minas. O afloramento e a possança conferiram à Mina do Pejão notoriedade, embora a sua importância fosse diminuída pela friabilidade do carvão.

Foram, entretanto, localizados outros afloramentos de carvão que deram origem a diversas minas concessionadas, tais como: Folgoso, São Domingos, Arda, Serrinha, Paraduça e Germunde que, conjuntamente com o Pejão, formavam o referido Couto Mineiro do Pejão, estendendo-se desde o lugar de Germunde até ao Alto do Pejão, numa extensão de aproximadamente 10 Km.

Em 1933, após falência, a ECD foi adquirida por um grupo Belga, liderado por Jean Tyssen. Durante o período respeitante à sua administração, a empresa sofreu uma enorme evolução, quer a nível de produção, quer a nível de desenvolvimento de infra-estruturas, quer a nível social.

Com a Segunda Guerra Mundial (1939-45) e nos primeiros anos do pós-Guerra, a empresa atravessou um período de grande desenvolvimento, com duas minas em exploração.

Em Maio de 1963, a ECD foi transformada em Sociedade Anónima de Responsabilidade Limitada sob a denominação de "Empresa Carbonífera do Douro, S.A.R.L.".

Em 1977, foi adquirida pelo Estado Português continuando, no entanto, a reger-se pelo estatuto de sociedade anónima adquirido em 1963.

Em 1984, devido ao convénio celebrado entre o "Instituto de Participações do Estado, E.P." e a "Ferrominas", a ECD passa a pertencer a esta última.

As Minas do Pejão foram encerradas, oficialmente, no dia 31 de Dezembro de 1994 (ver Jornal de Notícias, 30/12/94, p.6; O Primeiro de Janeiro, 30/12/94, p.1; O Público, 10/01/95, p.22), terminando assim mais de um século de exploração mineira no Couto Mineiro do Pejão.

(Fonte: Tese 'Caracterização Hidrogeológica e Hidrogeoquímica da Área Mineira de Germunde, Pejão' de Renata Santos, a quem deixamos os nossos agradecimentos).

Logo ACCMP

ACCMP | Associação Cultural do Couto Mineiro do Pejão

Pessoa Colectiva de Utilidade Pública, declaração n.º 39/2001. II Série D.R. n.º 27, de 1 de Fevereiro

Rua da Linha | 4550-509 Pedorido | Castelo de Paiva
Tel. 255 762 293 | Tlm: 934 550 862 . 936 008 109
bandadopejao@hotmail.com | www.bandadopejao.com

IBAN: PT50 0033 0000 0014 2331 9810 5